EgiptologiaBrasil
Bem-vindo ao fórum Egiptologia Brasil! Zen

Faça seu cadastro ou login gratuitamente.
Ao se cadastrar, você ganhará o direito de escrever mensagens, responder e publicar tópicos, tirar suas dúvidas e muito mais.

O cadastro leva menos de um minuto.


Atenciosamente, Equipe Egiptologia Brasil.
Acompanhe no Facebook
Conectar-se

Esqueci minha senha

Os membros mais ativos do mês


Khasekhemwy - (IIª Dinastia)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Khasekhemwy - (IIª Dinastia)

Mensagem por Carlinhos Suzin ® em 4th Outubro 2014, 10:25 pm


Este faraó é colocado como o sucessor de Peribsen, embora Mâneton registre três reis entre eles, Sendji, Neterka e Neferkara. O fato é que não há nenhuma evidencia que comprove a existência desses reis. Assim também, há quem pense que Khasekhem foi um antecessor de Khasekhemwy.

Na verdade, este é um faraó bastante bem registrado e, na falta de provas a respeito de reis anteriores vamos partir do fato que, Peribsen (seu antecessor) enfrentava revoltas, talvez uma guerra civil. Parece que ele não conseguiu controlar o país por inteiro, porque Khasekhemwy enfrentou e debelou uma grande rebelião. Portanto foi ele quem terminou o trabalho de Peribsen em unir o Egito.

Após reunir o país outra vez, talvez ele tenha mudado o seu nome de Khasekhem para Khasekhemwy que significa os dois poderosos surgiram. Pela primeira e única vez na história do Egito temos um serekh ostentando os dois animais sagrados: o falcão de Hórus e o chacal de Seth.

O faraó deve ter usado os dois deuses como um ato político, um ato de reconciliação e de união do país, ele não escolheu nenhum dos lados escolheu os dois.

É provável que ele tenha casado com uma princesa do norte chamada Nemathap (Nimaatapis) para selar a união do Egito. Esta princesa está registrada em tampas de jarras como, aquela que gesta o rei. É possível que ela tenha sido a mãe dos três primeiros reis da 3ª dinastia, incluindo Djoser.

Foi encontrado um vaso de pedra onde está gravado o ano da luta contra o inimigo, direto da cidade de Nekhet. Parece que houve uma batalha feroz e dramática entre as duas terras (o norte e o sul). Na base de duas estátuas de Khasekhemwy há uma inscrição dizendo que 47 209 pessoas do norte foram mortas, considerando a pequena população do Egito na época, podemos imaginar uma luta terrível.

Depois da unificação o faraó mudou a capital para Nekhen (Hieracômpolis) e esta foi a primeira e única vez em que o Egito foi governado a partir desta cidade.

Khasekhemwy deve ter sido um grande comandante militar porque há registros de campanhas suas até Biblos na Síria, é o primeiro faraó a ter seu nome registrado nesse local.

No Egito ele fez obras que ainda existem, logo após a unificação. Foram muitas construções em pedra em Nekhet, Nekhem e Abidos.

Sua tumba, em Abidos foi a última tumba real construída nessa necrópole (tumba V). Ela é uma mistura entre as mastabas do norte e as construções quadradas do sul, seria uma diplomática mistura de ambas. Sua área é dividida em 58 câmaras e nela foram encontrados alguns objetos esquecidos ou abandonados pelos ladrões de tumbas. O cetro real feito de coralina negra e ouro, belos potinhos com tampa de ouro em formato de folha. Flinders Petrie fez um inventário do número de objetos que foram removidos da tumba durante as escavações de Amelineau (definitivamente a arqueologia na época não era nada séria). Havia ferramentas e vasos de cobre, vasos de pedra e de cerâmica cheios de grãos e frutas, objetos vitrificados, contas de cornalina, trabalhos de cestaria e uma grande quantidade de selos.

Próximo a Nekhen (Hieracômpolis) fica uma imensa construção chamada A Fortaleza que embora destruída hoje em dia, deve ter sido impressionante, não se sabe para que o faraó a construiu. A oeste, em Saqqara há uma área delimitada muito grande e retangular chamada Gisr El-Mudir, que já foi escavada nos anos 90, não há registros de prédios em seu interior e nem se sabe para que foi delimitada.

Finalmente temos Shunet el-Zebib, não muito longe de Abidos, que foi construído sobre uma área delimitada mais antiga. É uma espécie de palácio com um muro duplo de tijolos e parece ter sido o precursor da pirâmide de degraus, porque há no centro uma espécie de elevação. Não se sabe para que foi construído, pode ter sido como túmulo, mas em escavações mais recentes (1991) foram encontrados em volta do muro 14 buracos contendo barcas. Devido ao seu estado muito frágil, por serem de madeira e muito antigas foram novamente cobertas.

As ligações entre Khasekhemwy e Djoser, seu sucessor devem ter sido de pai e filho, uma vez que foram encontrados muitos selos de Djoser no túmulo de Khasekhemwy e foi Djoser o responsável pelos ritos mortuários do faraó.

Nomes:


  • Mâneton não menciona esse rei
  • Nome de Hórus - Khasekhem , Hórus o poderoso surgiu; *Este é o único rei a possuir um nome Hórus-Seth - Khasekhemwi, Nebwi-hetep-imef Hórus e Seth, os dois poderosos surgiram e os dois senhores estão em paz nele
  • Nome Nebty - Nebti Khasekhemwi, Mebwi-Hetep-Imef, também Nebti Khasekhemwi Nebu-khet-sen, as duas senhoras, os dois poderosos surgiram, seus corpos são de ouro
  • Hórus dourado – desconhecido
  • Nome de trono - desconhecido
  • Nome de nascimento - desconhecido
  • Listas de reis - Djadjay, Bebi, Bebti


Última edição por David em 19th Outubro 2014, 7:32 pm, editado 1 vez(es) (Razão : Atualização de informações/reformulação.)
Membro Honorário
avatar
Carlinhos Suzin ®
Membro Honorário

Masculino
Mensagens : 82
Reputação : 9
Idade : 13
Data de inscrição : 04/10/2014
Inspirado

Respeito às Regras :
100 / 100100 / 100


Ver perfil do usuário http://asantigascv.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum